Instituto Mexicano de Relaciones Grupales y Organizacionales
Mexican Institute of Group and Organizational Relations

Deleuze e Guattari: Uma introdução


(Preciso saber quem escreveu este texto.  Informar para saludo@usa.net)
 

Deleuze e Guattari argumentam que o capitalismo é um sistema esquizofrênico. Porque só está interessado no indivíduo e no lucro que subverte ou desterritoriza todos os agrupamentos tais como a igreja, a família, o grupo e realmente qualquer arranjo social. Mas ao mesmo tempo, desde que o capitalismo requer agrupamentos sociais para funcionar, tem que permitir reterritorizações, agrupamentos sociais novos, novas formas novas do estado, da família, ou do grupo. Estes eventos acontecem ao mesmo tempo. A vida de qualquer cultura é sempre se desmoronando e sendo reestruturada. O ponto da distinção é permitir uma análise pós-marxista que possa ser social e materialista sem aceitar a inevitável dialética histórica. 

O método psicanalítico de Lacan une Freud (desejo) e Marx (política).  Ele compara a repressão psicológica com a repressão política, e o seu Freud-marxismo conduz a certas noções arcaicas sobre a bondade da natureza e do mal da sociedade. 

Lacan argumentou que o desejo não é um passeio natural que sociedade por si mesma impede.  Ao contrário, a repressão precede e responde por todas as formas de opressão social. Como Platão, ele argumentou que o desejo foi constituído como uma falta, e era impossível a sua realização que não em sonhos. 

Deleuze e Guattari (psicanalistas Lacanianos) no Anti-Édipo empreendem uma análise do desejo que é distinta da política. De acordo com eles, o desejo pode se fixar em uma de duas alternativas. Pode se afirmar, ou pode escolher o poder como seu centro e o estabelecimento da ordem como seu propósito. 

O fracasso da revolução iminente na França em 1968 está atrás da suas análises. O proletariado falhou na ocupação do seu papel histórico, como predito por Marx. Em vez de reivindicar a liberdade do momento anárquico, as pessoas escolheram restabelecer uma ordem repressiva que tinha existido antes. Eles acharam suas respostas na relação de Mestre-escravo de Nietzsche, e a análise inteira está fortemente arraigada em pensamentos de Nietzsche. A posição de ambos é pós-marxista e pós-freudiana. 

Para um marxista, qualquer discurso humano não pode ser a palavra final. Deve ser localizado dentro das relações de produção, de forma que é uma oposição entre produção e ideologia. Para um freudiano, a consciência não é fidedigna porque é produzida de fora através do desejo inconsciente. As oposições decisivas são então desejo e consciência. Deste modo a economia política de Marx é equilibrada por uma economia libidinal de Freud. Deleuze e Guattari argumentaram a existência de um "desejo produtivo" que rejeita a noção marxista de que o desejo pertence à ideologia. Também rejeitaram a noção do inconsciente de Freud e, conseqüentemente, exceto em sonhos, o desejo improdutivo. 

O "desejo produtivo" de Deleuze e a análise de Guattari é, de fato, outra forma do desejo de poder de Nietzsche.  O desejo de poder do "desejo produtivo" é equilibrado por um desejo de reação para repressão, a mentalidade do escravo. Os controladores (padres, gurus, místicos de todos os tipos) voltam a força ativa do desejo produtivo contra si mesmo e criam a enfermidade chamada culpabilidade que acompanha qualquer expressão ativa do pensamento.  Para Deleuze e Guattari a esquizofrenia é o modelo para a produção de um ser humano capaz de expressar desejo produtivo, mas é uma esquizofrenia ativa e não uma esquizofrenia médica à qual eles recorrem. 

Para Deleuze e Guattari, a história é um processo de desterritorização. No princípio é a tribo primitiva (a máquina territorial primitiva) na qual tudo é codificado. A sociedade é estática, e todo gesto, ação e até mesmo o corpo é governado através de regras. Isto acontece no nível de produção econômica e produção de libido. Tudo é social.  O território é claramente marcado. 

Em outro nível, a tribo dá modos ao déspota (a máquina territorial selvagem), que é quem desterritoriza a tribo, mas continua mantendo a ordem social por uma produção altamente codificada. O desejo é inscrito desejo no corpo do déspota, isto é, o que ele diz acontece. 

O fim da história é o Capitalismo (a máquina capitalista civilizada) que radicalmente decodifica e desterritorializa a vida social. Inventa o indivíduo privado, dono do seu próprio corpo e trabalho. Para realizar esta desterritorialização o sagrado, os rituais ou tradicões mudam. O Capitalismo não tem necessidade de qualquer sistema sagrado de convicção. É o mais radical de todos os sistemas, desde que corte na raiz qualquer coisa que reprima o indivíduo autônomo. 

E ainda, dizem Deleuze e Guattari, a realidade do capitalismo é a maior repressão do desejo de produção na história.  Presumivelmente, deveria ter conduzido a uma liberdade absoluta, nômade, mas não foi isto. 

A razão é a estrutura esquizofrênica do capitalismo. Desterritorialização é acompanhada por uma reterritorialização ininterrupta, uma recodificação de formas antigas. O estado, a pátria, a família continuam reaparecendo em forma modificada, mas igualmente governada por regras e igualmente repressiva. O neurótico é então a pessoa normal, alguém cujo desejo foi amoldado por uma grade social. A criança tem que ter um ego, uma posição para experimentar o mundo e este ego será amoldado pela relação da criança com o progenitor do mesmo sexo em competição com o progenitor do sexo oposto (o encontro edípico) Aqui, uma culpabilidade original, fictícia, surge do desejo incestuoso patricial ou matricial. 

Lacan argumentou que o desejo foi constituído como uma falta, e sugeriu mais adiante que o psicótico é alguém que confunde a falta imaginária (medo de castração) com a falta real (castração atual). Não tendo simbolizado sua falta, ele fica furioso pela falta de uma falta. Deleuze nega isto completamente e discute que esta é a posição do padre.  

Deleuze não é um marxista. Não há nenhuma luta de classes porque há só uma classe, a classe dos escravos, alguns que dominam outros. Quase nenhum indivíduo satisfaz plenamente seus desejos. Em parte, isto é porque cada individuo se movimenta entre dois pólos: entre o desejo esquizóide que é revolucionário mas anti-social e o desejo paranóico que é social mas classificado e exigindo sua própria repressão 

Nem é ele um freudiano. A proibição do Édipo, que produz o neurótico, que interiorizou culpabilidade para reprimir desejo, não é um fato da natureza mas o resultado da codificação social. 

Na prática, Deleuze e Guattari criaram um vocabulário novo para lhes permitir falar sobre psicanálise e sociedade sem entrar em idéias marxistas ou freudianas: 

Máquinas: Um termo cunhado por Guattari para escapar da noção de Lacan do "assunto" que é freqüentemente enganado pela consciência de si mesmo. Uma máquina é qualquer ponto no qual um fluxo de algum tipo (físico, intelectual, emocional etc:) folhas ou entra em uma estrutura. A boca de um bebê ao peito de sua mãe é uma máquina de boca que conhece uma máquina de peito. Há fluxo entre estas duas máquinas. 

Máquina de desejo: uma máquina conectada a um "corpo sem orgasmo". 

Corpo sem orgasmo: Uma frase de Artaud. Qualquer estrutura organizada, como um governo, uma universidade, um corpo ou o universo. Máquinas desejando e o corpo sem orgasmo são dois estados diferentes da mesma coisa, parte de um sistema organizado de produção que controla fluxos. 

Máquina Paranóica: Um estado no qual o corpo sem orgasmo rejeita as máquinas de desejo. 

Máquina de Miraculating: um estado no qual o corpo sem orgasmo atrai as máquinas de desejo. 

O Socius: um corpo sem orgasmo que constitui uma sociedade, como no corpo da terra de sociedades primitivas, o corpo do déspota em sociedades selvagens e o corpo do capital em sociedades capitalistas. 

O assunto nômade: o assunto autônomo livre no qual existe momentaneamente uma sempre inconstante ordem de possibilidades como máquinas de desejo distribuindo fluxos pelo corpo sem orgasmo. 

Máquinas de desejo: todos que estão comprometidos em desejo produtivo.
 


EXIT  / SALIDA

ii 2016
ix 2013

vi 1999