Instituto Mexicano de Relaciones Grupales y Organizacionales
Mexican Institute of Group and Organizational Relations

O PEQUENO GRUPO: 

CORDA BAMBA ENTRE SOCIOLOGIA E PERSONALIDADE

Kurt W. Back

O Jornal de Ciência Aplicada do Comportamento, NTL Institute for Applied Behavioral Science, 15(3), 1979

(Traduzido por Mauro Nogueira de Oliveira)




DECLÍNIO OU PAUSA PARA REFLEXÃO

No período imediatamente antes e depois da Segunda Guerra Mundial o estudo de pequenos grupos, de repente, se tornou um tópico importante de pesquisa e teoria. As pessoas sempre viveram em grupos, em famílias ou unidades de trabalho, em tribos e grupos sociais, e os cientistas têm estudado alguns destes grupos por muito tempo. Cedo os sociólogos tinham escrito livros sobre agregações humanas e tinham
começado com unidades pequenas. Mas em geral eles se preocuparam com grupos de um tipo, como a família, e tentaram derivar todas as outras agregações humanas deste exemplo. O novo movimento redescobriu grupos pequenos, mas somou algo novo. A natureza de grupos como grupos, independente das suas origens, foi visto como um tópico unificado para estudo. A pergunta foi declarada: O que acontece quando um pequeno grupo de indivíduos permanece junto e que características diferentes estabelecerá? A origem dos grupos que existem na natureza perdeu a importância como tópicos para investigação.  As características necessárias que qualquer pequena assembléia de pessoas estabelecerá se tornaram o centro de interesse. Quer dizer, de repente, notou-se uma unidade estável que vive em algum lugar entre o indivíduo e a sociedade. 

Está nesta sensação o pequeno grupo ter sido descoberto como um objeto merecedor de estudo.  Foi visto como um complemento importante à compreensão do comportamento individual, especialmente do ponto de vista do psicólogo social. Da mesma maneira foi visto como um mecanismo pelo qual as instituições da sociedade realmente trabalham. Assim muitas pessoas acreditaram que um programa intensivo de estudo e pesquisa com pequenos grupos proveria a chave para a compreensão das relações entre o indivíduo e a sociedade, o elo entre a sociologia e a psicologia. Caracteristicamente, neste momento foram cunhadas condições novas para descrever este campo como ciências do comportamento ou sociometria (como Moreno classificou). 

O entusiasmo inicial diminuiu. O trabalho em pequenos grupos como tal, relacionando suas propriedades e propondo teorias sobre eles, está parado hoje. Com algumas exceções ( Wilson, 1978; Nixon, 1979; ou como um leitor, Ofshe, 1973), livros de ensino e monografias sobre grupos não discutem a sua natureza ou pesquisa atual , mas técnicas em como os usar para produzir certos efeitos. O significado de dinâmica de grupo mudou de uma ciência para uma profissão. Quem pensar que movimento de grupo é igual a estudo de grupos...negligencia, por exemplo, o estudo de grupos como eles acontecem na natureza e todos os outros aspectos que não estão à mão pertinente à tarefa específica. Também precisa do suporte de um estabelecido e ampliado corpo de conhecimento para cumprir sua função formal. 

O estudo de grupos não está morto, mas somente dormindo talvez. Como a atividade de grupo foi mostrada que progride em fases (Fardos & Strodtbeck, 1951), de uma fase de construções de pesquisa para outra até um clímax na exploração de idéias atuais é alcançada, e então tende a se arrastar e esperar por um ímpeto novo. Podemos voltar agora mesmo para uma tal fase. Seria muito fácil e confortável, porém, fixar toda a culpa e espera na teoria de um movimento cíclico. O declínio em pesquisa de pequeno grupo simplesmente não é um evento natural, nem é uma ressurreição de progresso futuro automaticamente garantido. 

Um baixo período de atividade, é em todo caso, um tempo bom para parar, para olhar os problemas especiais de sucesso e fracasso em pesquisa de grupo e por identificar as características distintivas do nosso tópico. Esta distinção, aparece agora, é sua posição ambígua entre o estudo de duas entidades bem-definidas, o indivíduo e a sociedade. Esta ambigüidade é simbolizada pelo fato que nós não temos um
termo reconhecido para o estudo deste campo intermediário, como a psicologia e a sociologia, para estas duas entidades. É psicologia social? Ou dinâmica de grupo? Podemos localizar esta ambigüidade como um conflito em aspectos diferentes - conceitual, metodológico ou temático - do trabalho em pequenos grupos e avaliar suas conseqüências como conflito criativo e destrutivo. 

CONCEITOS

Uma grande promessa do estudo de grupos mente em sua habilidade para atravessar o buraco entre o indivíduo e níveis do grupo. De um lado, podemos aplicar postulados da psicologia individual para as funções de grupos. Como o cérebro no corpo humano, a posição do líder se torna a posição central diretiva da unidade, e há também aspectos emocionais, como também aspectos de motricidade em um grupo - assim, a
metáfora teórica de um organismo pode ser aplicada a um grupo. Isto é mais que mera licença poética; o grupo pode ser visto crescer e desenvolver, pode alcançar maturidade e pode morrer e assim o desenvolvimento planejado de grupos pode começar deste modelo. Por outro lado, grupos e sua interação podem conduzir à compreensão de organizações maiores e instituições sociais. 

Porém, as dificuldades conceituais derivadas justamente desta posição intermediária são consideráveis.  De um lado estamos olhando as condições emergentes dos indivíduos, de outro a uma característica de sociedades grandes. Quão autônomo são os problemas de grupo? Temos que levar em conta as características individuais dos membros como também as condições sociais debaixo das quais estão as funções do grupo? 

Perguntas deste tipo conduziram, em primeiro lugar, para uma consideração do problema se os grupos são ou não são reais. Esta dúvida sobre a realidade do assunto não surge tão facilmente para o psicólogo individual ou para o sociólogo. As pessoas e a sociedade são reais, pelo menos se não empurramos nossas investigações muito longe. Mas grupos como tal, e características que só pertencem a grupos, é duro
justificar. A controvérsia em cima da realidade dos grupos persistiu, e desde o princípio, foram questionados conceitos relacionados a grupos (Allport, 1924; Cattell, Saunders & Stice, 1953; Horowitz & Perlmutter, 1953; Warriner, 1956; Campbell, 1958). Teóricos tiveram dificuldades de se restringir puramente a aspectos do grupo sem considerar características individuais e condições sociais.  Mas se admitimos estes conceitos
estranhos, que somos forçados a lidar simultaneamente com três jogos de variáveis, derivadas do indivíduo, do grupo e da sociedade, a vantagem do estudo de grupos, de simplificar a relação entre o indivíduo e sociedade, está com ímpeto perdido. 

Somos conduzidos aqui a formas diferentes da ambigüidade: Grupos são reais, mas eles também são abstrações. Podemos definir a existência de grupos, de unidades interpessoais, a sua natureza e as suas características. Podemos falar sobre grupos, limites de grupo, coesão, papéis e funções, sem ter que levar em conta os indivíduos que constituem os grupos ou a sociedade nas quais eles estão embutidos.  Nesta sensação eles têm a sua própria realidade. Considerando grupos, porém, sentimos que omitimos assuntos importantes se desconsideramos completamente qualquer coisa que concerne a indivíduos ou sociedade.  Estudar grupos pode ser uma ferramenta poderosa na compreensão do comportamento humano, da mesma maneira que confiança exclusiva em grupos é uma ferramenta forte de controle; para alguns propósitos nós
damos boas-vindas às abstrações, enquanto às vezes estamos insatisfeitos com isto. Da mesma maneira, às vezes, damos boas-vindas ao uso de grupos como uma ferramenta para administração da sociedade, mas às vezes o seu uso fica irreal ou perigoso. 

Representações esquemáticas de indivíduos em um espaço social, como foi demonstrado por Lewin, sempre teve que se degladiar com as personalidades desses indivíduos, as suas interações como também as forças que agem dentro deles, i.e., as partes diferentes da pessoa. Estes tipos de esquemas freqüentemente ficaram muito difíceis para representar e entender. A condição de grupo poderia ser olhada como um
emergente de condições individuais, i.e., algo surgindo de componentes individuais. Assim, características de personalidade complementares, como domínio em uma pessoa e submissão em outra, poderia conduzir então a uma relação forte. Domínio em duas pessoas poderiam conduzir a competição. Se nós começamos analisando a interação entre os indivíduos e as condições das relações formadas dentro do grupo, somos
forçados a olhar os indivíduos e o comportamento do grupo ao mesmo tempo, e fazendo assim deixamos para trás o grupo, gradualmente. 

Por outro lado, se começamos de uma unidade maior, a sociedade total, nem o indivíduo nem comportamento de grupo é visível. Se lidamos com certas condições que caracterizam sociedade, como a estrutura demográfica, e tentamos caracterizar interação desta perspectiva, já não se pode falar sobre características individuais, mas só sobre características que pertencem a uma classe de pessoas, como raça, sexo,
sociedade de classe, ou identificação étnica. Neste caso podemos dispensar a diferenciação entre indivíduos, mas perdemos o grupo. 

PESQUISA

Problemas correspondentes acontecem se traduzimos aquele pensamento em pesquisa atual.  Então desejamos estudar características que se assegurariam verdadeiras para todos os grupos. O investigador quer por em prática o conceito de dimensões do grupo, independente da natureza dos indivíduos que o compõem e das condições sociais debaixo das quais acontece. Aqui temos que isolar o grupo, em vez de
pensar em teoria de grupo, fisicamente. Esta linha de pontos de razoamento nos coloca em uma situação na qual o grupo está fisicamente separado do resto do mundo social, no tempo como também no espaço, e onde as condições devido à existência do grupo são tão proeminentes que são subjugadas as diferenças individuais (Back, Capuz & Brehm, 1964).  Estas exigências descrevem a experiência psicológica social clássica: a situação é feita irreal, separada, pondo isto em um laboratório. Os membros não sabem um do outro e não esperam ver um ao outro novamente, exclui até onde estas relações são parte das condições experimentais; o experimentador qualificado usa condições extremas - não o alcance de intermédio inteiro da variável - de forma que diferenças individuais são anuladas.  Estes grupos experimentais não se parecem com os grupos que vemos na natureza, mas presente nas variáveis certas para os investigadores.  Este
conhecimento parcial de como se agrupam em natureza do trabalho é difícil obter e pode conduzir a fins mortos se continuar sem cheques de realidade. 

Assim, estudar grupos pode parecer uma tarefa impossível.  A grande vantagem de estudar grupos quando anunciaram o seu advento e elevaram tantas esperanças pelo seu estudo, era justamente que eles proveriam o canal entre as influências da sociedade e a ação individual. Mas olhando a própria situação de grupo mais de perto, achamos que introduzimos novas complicações. E em muitos casos, os modos tradicionais de estudar grupos alcançaram um impasse por esta mesma razão. Frustrações deste tipo conduzem o investigador e o teórico a uma ou a outras simplificações óbvias.  Deixar as condições sociais e só lidar com os aspectos das pessoas envolvidas.  Isto ainda pode ser feito em uma armação social, a não ser que as outras pessoas no grupo não sejam consideradas como indivíduos mas como condições de incentivo. Por exemplo, isto é o neo-behaviorismo feito famoso por Skinner e Homans (Homans, 1961), mas também mostrado por Thibaut e Kelley (1959).  Aqui revertemos a este estudo de indivíduos em um ambiente social que é exatamente o que psicologia social estava buscando nos anos trinta (Murphy, Murphy & Newcomb, 1931).  Outro modo que um investigador pode agir é eliminar as personalidades individuais; i.e., ele se torna um sociólogo que só fala sobre indivíduos como partes de categorias sociais. 

O pesquisador de grupos está então na posição de um equilibrista na corda bamba e tenta deter em equilíbrio a variedade infinita de personalidades humanas como também as complexidades de condições sociais. É mais difícil ficar na corda bamba e é fácil e potencialmente produtivo saltar fora para um lado ou para o outro - individual ou social - e investigar só fixado em condições. Talvez tenhamos que por nossa confiança na natureza cumulativa de ciência. Há períodos, os ciclos mencionados acima, quando algumas pessoas estão dispostas a ficar durante algum tempo na corda bamba - e talvez o seu trabalho e pensamento seja produtivo enquanto lá - mas têm que deixar eventualmente este difícil exercício. 

Até mesmo num arrazoamento puramente abstrato, é difícil conceber que um grupo só existe como um objeto em si mesmo.  A grande onda de interesse no estudo de grupos não veio de qualquer avanço conceitual mas das demonstrações de certas técnicas pelas quais poderiam ser estudados grupos. Poderiam ser postas as pessoas juntas em situações de grupo e em condições que poderiam ser usadas novamente, que teve um elemento teórico ou um análogo na sociedade atual, mas justamente esta facilidade de demonstração gerou questionamentos sobre estes grupos experimentais no sentido de qual a justificativa em fazer perguntas que poderiam ser respondidas com sim ou não. 

Pelo contrário, metodologistas reivindicaram que o valor principal da experimentação de grupo mente justamente no fato que o experimentador executa como gerente e mostra como podem ser administradas as pessoas em interações diferentes, atitudes iniciais e ações. 

Olhando as experiências de grupo como dramas organizados podemos ver as suas forças e fraquezas como uma ferramenta de pesquisa (Denzin, 1970).  O experimentador age como um diretor do jogo que não conta para os atores o enredo atual. Ele ou ela só fixam até certo ponto a cena que assegurará que a ação desejada acontecerá. Esta perspectiva em pequenos grupos corresponde melhor ao isolamento do grupo como uma entidade em si mesmo. A área, o próprio drama, é dominante; os atores têm que se conformar ao enredo, embora possa haver variações na maneira na qual eles executam. Podemos aprender mais sobre as ações dos grupos, das dificuldades e ajustes necessários organizando uma cena do que uma medida de resultados em um procedimento experimental rotineiro. 

Porém, psicólogos sociais não estão muito contentes em escrever enredos; eles preferem seguir modelos de pesquisa da ciência natural. Eles não querem demonstrar aquelas ações humanas que poderiam acontecer, mas estabelecer condições gerais debaixo das quais elas acontecem com freqüência predeterminada.  Procurando cada vez mais precisão na explicação de eventos atuais, o psicólogo social somará por conseguinte cada vez mais variáveis para a pesquisa. Estes incluem características de personalidade como também as características sociais e as condições debaixo das quais a experiência acontece. Aqui o anfitrião de problemas práticos soma-se ao que acontece na experiência. Aqui o anfitrião de problemas práticos soma-se ao que faz a experimentação de grupo, e até mesmo o estudo de grupos existentes, tão difícil. 

Assumimos que o investigador de pequeno grupo está só preocupado com as relações de dimensões de grupo, como coesão, produtividade, distribuição de poder, conformidade, moral, diferenciação de papel, ou processo de grupo. As declarações que fizeram em pura pesquisa de grupo deveriam relacionar então estes grupos com variáveis de um para o outro, por exemplo, conformidade é uma função de coesão de grupo. Esta declaração deveria ser em geral condição válida para todos os grupos de qualquer composição, em qualquer circunstância. Correspondentemente, pode não nos contar muito sobre o processo de conformidade em qualquer grupo particular; o tamanho da relação pode ser determinado por uma riqueza de condições.  De fato, algumas destas condições podem ser mais importantes determinando conformidade em algumas circunstâncias do que coesão.  Aqui, podemos pensar em personalidades submissas ou uma sociedade autoritária.  Assim o investigador é tentado para incluir variáveis cada vez mais na sua pesquisa: por exemplo, características de personalidade de cada membro do grupo, história prévia da sociedade, o ambiente físico ou social do grupo. Uma vez que estas condições novas são somadas, o equilíbrio da pesquisa troca, as razões para administrar experiências de grupo variam, e os obstáculos técnicos para administrar estudos de grupo ficam maiores.  Assim abandonamos grupos como objetos atuais pois realmente estamos em solo precário. 

Experienciar grupos é uma questão difícil. Se nós estamos puramente interessados em condições induzidas no grupo, características individuais ficam irrelevantes e o proverbial estudante do segundo ano de faculdade que foi usado em tantas experiências é tão bom quanto qualquer outra pessoa que seja um membro do grupo de estudo. Se começamos a nos preocupar com características individuais nós temos que nos preocupar sobre efeitos da composição. Em geral, experimentadores fazem um pequeno compromisso e selecionam os seus grupos por algumas suposições implícitas definindo a gama de assuntos, por exemplo, restringindo grupos para o mesmo sexo, mesmos membros étnicos, ou para alguma outra mistura predeterminada.  Mas por que pára aqui? Assim que nós aceitemos características individuais como variáveis importantes, todo grupo é uma mistura sem igual. 

Enquanto é relativamente fácil criar condições experimentais para um grupo, não é tão fácil de controlar personalidades e interação entre os membros, e aqui o processo de grupo inteiro pode deixar de ser o enfoque de interesse. É difícil de controlar o ambiente social de uma pessoa se o ambiente social consiste de outras pessoas. Experiências freqüentemente tiveram um ou mais dos participantes excluídos pois estavam
em controle direto da experiência e que introduziriam condições constantes na situação de grupo.  Gradualmente foi percebido que o controle poderia ser aumentado. Haveria só um assunto e todo o resto seria dos participantes. O ambiente social poderia ser garantido então. Esta técnica conduz, com efeito, a experiências em indivíduos. O enfoque está de cada vez em um indivíduo, a sua personalidade e a percepção
da situação. O equilíbrio inclinou para pura pesquisa do indivíduo. Se concentrando em condições individuais, as variáveis de grupo não parecem ser particularmente importantes e o grupo está gradualmente perdido como um objeto de pesquisa. 

Um transtorno semelhante acontece se a pessoa começa levando em conta as condições sociais. Membros de grupo podem ser influenciados pelas suas lealdades fora dos grupos de referência, identidade étnica ou classes sociais, e o seu comportamento em grupos pode ser influenciado através de amplas mudanças sociais.  As pessoas aprendem a se comportar em grupos e são influenciadas por padrões atuais de
comportamento. Se tentamos incluir estas condições culturais e sociais em nossa taxa de comportamento de grupo, ficamos mais realistas novamente sobre os eventos atuais em grupos; mas também encontramos que estas condições maiores são mais influentes com respeito a eventos particulares que as variáveis de grupo gerais e o equilíbrio se inclina para um estudo sociológico de grupos. 

IMAGEM DO GRUPO

As vicissitudes intelectuais e técnicas só não respondem pelas fortunas variáveis da pesquisa de pequeno grupo. Podemos olhar este empreendimento científico como uma estrutura tridimensional, como Gerald Holton (1973) sugeriu. Uma dimensão pode ser representada através do pensamento racional (a dimensão conceitual), o segundo por fatos empíricos (a dimensão de pesquisa).  Porém, estas duas dimensões não respondem pela direção atual do desenvolvimento científico. Uma terceira dimensão que representa condições culturais (Holton os chama imagens ou themata), conta para a direção básica do todo da ciência em uma época particular. Agora podemos olhar as imagens e colocações sociais nas quais a pesquisa de grupo aconteceu. 

A sociedade americana tem uma tradição longa de dependência em pequenos grupos de comunidade-orientados. Isto pode derivar em parte da realidade das condições sociais em comunidades pequenas de fronteira como também de uma fratura consciente com uma continuidade política mais longa, representada pela Revolução Americana. Foram associados grupos com a idéia de espontaneidade, de escolha voluntária, de proteções contra a solidão de um continente novo e imenso ou contra a interferência da autoridade tradicional. Entre os primeiros observadores de nossa cena americana, Tocqueville (1945, originalmente 1835, 1840) notou a nula importância que grupos voluntários tinham assumido no sistema americano (Ebert & Witton, 1970). 

A importância de grupos em sociedade faz com que seja provável que em um tempo de crise as pessoas olhariam para os grupos para certeza e talvez soluções. Assim, nos anos trinta o desarranjo aparente das pressuposições econômicas de prosperidade, como também a ameaça para as instituições políticas representada pela subida do Fascismo e Comunismo, conduziu a uma confiança mais forte em grupos como também uma necessidade para entender o seu funcionamento. A reconstrução econômica poderia ser feita através de grupos de auto-ajuda, e um modo de resistência para política extremista poderia ser visto pela criação e entendimento de grupos benevolentes.  Mas, por outro lado, as ações extremas na Alemanha, Itália e Rússia também poderiam ser vistas como ação de grupo extrema. Assim, um caráter ameaçador de grupos
foi identificado de repente. Esta ambivalência criou uma imagem nova, mas primeiro a força da convicção em grupos alcançou sua maior altura (Back, 1973). 

Sartre (1960) notou que o caráter da psicologia social americana está colorido pelo fato que a maioria de seus fundadores - Mayo, Lewin, Sherif e Moreno - eram imigrantes que provavelmente queriam cortar a perspectiva de tempo do passado e fazer as suas opiniões e ações principalmente dependentes das afiliações atuais. Conduzido por uma pesquisa sócio-psicológica, planejando um futuro melhor depois da
Segunda Guerra Mundial confiou em achar grupos apropriados para a reconstrução do pós-guerra em canais produtivos. Semelhantemente, o desempenho do exército americano na Segunda Guerra Mundial foi explicado em grande parte pelas lealdades do grupo para o pelotão e tripulação do ar, não para convicções transcendentes, como mostrado nos volumes publicados pelo Serviço de Educação e Informação do Exército (Stouffer, Suchman, DeVinney, Star & William, 1949). Conflito de grupo seria eliminado por satisfatório grupo inter-racial e inter-religioso, conflito operário pelo movimento de relações humanas, conflito político através de grupos de comunidade. Mas o comportamento irracional e cruel induzido através dos grupos também foi investigado. As experiências de Sherif (1936) e Asch (1951) como também Lewin, Lippitt e estudos de White (1939), podem ser vistas neste contexto. Todo este jogo de estudos sobre diferenças individuais como também qualquer tradição maior além do grupo. Em condições sociais isto significa que nenhuma pessoa ou sistema social é realmente bom ou mal. Não temos que nos preocupar sobre qualquer característica de personalidade mudando ou melhorando o mundo, nem temos que nos preocupar sobre ideologias, religiões ou identidades nacionais produzindo qualquer desejo de mudança. Como em uma experiência, pode ser estabelecida uma armação nova de referência ou convicções novas à vontade: grupos podem fazer as pessoas acreditarem e concordarem com tudo. 

A imagem do grupo como uma ferramenta útil está retrocedendo. É visto o poder do grupo menos como uma cobertura protetora ou filtrada atrás da qual podemos viver em uma liberdade nova, que como um ogro voraz.  Esta tendência mostra para si mesmo em pesquisa. O estudo de Milgram (1974) mostrou que uma relação temporária entre o líder de uma experiência e um participante pode justificar tortura e quase assassinato.  O experimento de Zimbardo com grupos de guardas de prisão e prisioneiros o assustaram tanto que ele interrompeu a experiência no meio (1973). 

Pode não ser coincidente que exemplos mais sérios apareceram.  O movimento de grupo tinha se esparramado - em grupos de encontro, grupo-terapia e seitas - até que assomou como uma nova força social.  Advertências contra a irresponsabilidade de alguns destes grupos soaram reacionárias e opressivas.  De repente uma seita ou comunidade que tinham executado todos os milagres anunciados de ação de grupo na Califórnia - ampliando potencial humano, dando significado em vida a suburbanos, reabilitando os condenados e viciados, que mostra a dignidade da vida simples transcende a família nuclear e trabalha para causas liberais - explodiu em uma realidade feia na Guiana. Outros grupos que tinham sido vistos como panacéias, como Synanon, pareciam menos atraentes de repente. A imagem do grupo radicalmente está
mudando.  Grupos de potenciais humanos vão sendo vistos com suspeita através da sociedade e estão sujeitos a controle social. 

CONCLUSÃO

Pensar em grupos é difícil.  Também é difícil de fazer experiências em grupos como grupos. A razão principal por que as pessoas tentaram esta tarefa difícil é a convicção que aqui eles realmente têm o núcleo de todo o conhecimento para a estabilidade e mudança social. A mudança da importância de estudar grupos tem algo então que ver com a mudança da convicção na sua importância.  Como muitas outras suposições esperançadas do imediato pré e pós período de guerra, esta suposição foi desafiada. Grupos são mais ou menos efetivos que nós gostaríamos que eles fossem. Diferenças individuais mostraram não ser suscetíveis à manipulação do grupo. Para dar um exemplo, a mistura racial certa em salas de aula não foi achada para ser a panacéia para melhoria em educação, e o grupo de iguais necessariamente não é a base de resultados
educacionais.  De um modo semelhante, condições sociais maiores mostraram que um importante movimento de grupo poderia ser esperado. A Guerra do Vietnã mostrou que solidariedades dentro das companhias militares não são suficientes para ganhar uma guerra se um compromisso ideológico aos objetivos da guerra está ausente ou até mesmo oposto.  Também é questionável se os guerrilheiros têm êxito porque eles são
pequenos grupos aderentes ou porque eles são fortemente doutrinados. Assim, parece que os pesquisadores já não podem ser levados sobre caniços no desígnio de suas pesquisas e teorias pela convicção que eles estão lidando com os problemas cruciais de sociedade. 

Se as altas esperanças dos investigadores de grupo cedo fracassaram, se grupos não podem prover a compreensão do comportamento social nem a chave para uma utopia nova, o trabalho em pequenos grupos tem algum futuro? Talvez deveríamos resumir por que estudamos pequenos grupos. Uma das razões é que podemos ter um modelo pequeno de interação social que é aplicável à sociedade inteira e para o todo da vida humana.  Aqui vemos os obstáculos para a aplicação do conhecimento adquirido do estudo de grupo, como também as dificuldades de generalizar as experiências de pequenos grupos. Ou podemos olhar grupos pequenos como uma ferramenta útil por afetar o indivíduo e mudança social. Reconhecemos que é uma ferramenta mas também reconhecemos que usar uma ferramenta sem saber por que pode ser inútil ou até mesmo destrutivo. Finalmente, podemos estudar grupos pequenos porque eles existem em muitas formas em sociedade - na família, comunidade, trabalho, ou outros grupos. 

O estudo sério de grupos é difícil e pode não conduzir à salvação imediata. O investigador de grupo pode regressar agora para a difícil e freqüentemente não gratificante tarefa necessária para achar os métodos e teorias peculiares para grupos. Sabemos que há forças poderosas a serem descobertas na área nebulosa entre ações individuais, por um lado, e a cultura e sociedade complexas no outro.

EXIT  / SALIDA

ii 2016
ix 2013